Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

03.05.08

CRIANÇAS DE BAGDAD


João Chamiço

Minha mãe, vela sempre por mim,E não permitas que a guerra venha.Mas se a guerra vier, mesmo assim,Sem que ninguém haja que a detenha,Ampara-me no teu terno abraçoE esconde o meu rosto em teu regaço. Não deixes a guerra a sós comigoNem por um breve instante sequer,Faz do teu colo o meu abrigo.Se a louca tragédia acontecerE a fúria das canhões nos ceifar,Envolto em teu manto vou voar. Antes morrer do que ficar só,Se o dilúvio infernal das bombasTransformar em escombros e pó;A (...)
29.04.08

BAGDAD


João Chamiço

Sempre que “rosna” um canhão Sai à rua a mortandade Onde a lei é transgressão. Bagdad, cidade morena De morte e barbaridade Quando serás tu serena?   Camões, escreveu um dia, – Tanta guerra, tanto engano –, Provavelmente sabia Que passado tanto ano Tanto haveria de engano Como guerras haveria.   Neste livro que vos deixo” Disse um dia António Aleixo; – À guerra não ligues meia – , Porque alguns grandes da terra Vend (...)