Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

16.02.06

PALAVRA MULHER


João Chamiço


Abra-se um livro de poesia


Ao acaso num poema qualquer,


E talvez, ainda que por magia,


Conste nele a palavra mulher.


 


Mas essa, pode não ser afinal


A palavra que mais entoa,


Nesse poema circunstancial


Dessa página aberta à toa.


 


Talvez mãe, seja a forte razão


Ou ainda, razão maior seja só,


Se a palavra lá não estiver,


 


Uma propositada omissão


De quem escrevendo; mãe, filha e avó


Quisesse apenas escrever; Mulher.


 


João Chamiço

1 comentário

Comentar post