Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2006

»»»»»»»A ÁRVORE NÃO SABE, MAS TU SIM ««««««««

Uma árvore nasce onde cai a semente

Ou cresce no lugar onde é plantada.

Quer seja junto à berma de uma estrada

Ou numa floresta resplandecente

Ou no canteiro de um jardim

A árvore não sabe, mas tu sim.

 

Quando uma árvore é plantada

Ainda na sua tenra infância

Mesmo à beira de uma estrada

E não cresce num belo jardim

Por incúria ou por ganância

A árvore não sabe, mas tu sim.

 

E quando a árvore cede ao temporal

E tomba ao chão ferida de morte

Sem ter adivinhado o seu fim

Na sua condição de vegetal

Não sabe a quem vai mudar a sorte

A árvore não sabe, mas tu sim.

 

E quando ela, ao cair mata gente

Ou lhe deixa toda a esperança perdida

E lhe esmaga todos os sonhos duma vida

E tanto pode ser a ti como a mim

Ou a qualquer ministro ou presidente

A árvore não sabe, mas tu sim.

 

Todos nós vivemos essa ameaça

Mas fingimos que tal não nos diz nada

Se isto é de um ser racional, ai de mim

Enquanto a tragédia aguarda quem passa

Talvez num dia de má sorte numa estrada

Nenhum outro alguém morra, mas tu sim.

 

2004-02-03

João Chamiço.

 

 

Foi a pensar na Mónica Silva de Samora Correia que me pus a "pintar este retrato triste". Ela tem amigos anónimos que pensam nela e que têm comprado os seus bonitos postais por ela pintados com a boca.

 Mas tenho a certeza que ela concorda comigo quando digo que estas tragédias não deveriam ser encaradas com leviandade por todos nós.

 A prevenção sempre foi o melhor remédio para todos os males. As árvores não sabem disto nem têm obrigação de saber. É a nós, seres “superiores?” e “racionais?” que compete não nos tornarmos vegetais, quer em consequência dos desastres, quer porque é como vegetais que nos comportamos quando não assumimos a nossa qualidade de seres pensantes e não prevenimos as tragédias que temos a certeza que vão acontecer e que está nas nossas mãos evitá-las. A árvore não sabe, mas nós sim!.

publicado por João Chamiço às 01:39
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2006 às 09:03
...bem há pouco tempo pus-me a pensar se seremos realmente racionais...e até que ponto... qundo o homem mata o seu semelhante, hulmilha-o, tenta-lhe ser superior, rouba-o... será o ser humano racional? inteligente?...
FOIRÇ'AÍ!
js de http://politicatsf.blogs.sapo.ptjs
(http://politicatsf.blogs.sapo.pt)
(mailto:jfsilvasousa@hotmail.com)
De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2006 às 08:36
Muito triste este quadro, mas sem deixar de ser belo.Beijo meuMaria João
(http://omeuolhar.blogs.sapo.pt)
(mailto:aocoiris.2005@hotmail.com)

Comentar post

.mais sobre mim

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O HOMEM VELHO

. À JANELA

. QUEM DERA, QUEM DERA

. ESPELHOS TEUS

. PIROPO

. BRISA

. FLORES DE AÇORES

. ZECA AFONSO - SANTIAGO DE...

. JOGOS FLORAIS DE AVIZ 200...

. JOGOS FLORAIS DE ALMEIRM

.arquivos

. Novembro 2014

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds