Domingo, 2 de Novembro de 2014

O HOMEM VELHO

HOMEM VELHO

 

Sem alegria

Na rua ia

Desengonçado

Corpo vergado

Em destrambelho

O homem velho.

 

O adolescente

Seu descendente

Mirou seu rosto

Já justaposto

No gasto espelho

Do homem velho.

 

Depois dos anos

Breves e ufanos

Passam os filhos

Nos mesmos trilhos,

Dói o joelho

Do homem velho.

 

Pés que se arrastam

Por onde passam

Deixam nos trilhos

Dos pés dos filhos,

Dores de artelho

De um homem velho.

 

E os netos vão

De olhos no chão

Corpo vergado

Desengonçado

Já sem conselho

Do homem velho.

 

Vulto enrugado

Corpo vergado

Nariz adunco

Bordão de junco

Vê-se ao espelho

O homem velho.

 

João Chamiço

publicado por João Chamiço às 23:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O HOMEM VELHO

. À JANELA

. QUEM DERA, QUEM DERA

. ESPELHOS TEUS

. PIROPO

. BRISA

. FLORES DE AÇORES

. ZECA AFONSO - SANTIAGO DE...

. JOGOS FLORAIS DE AVIZ 200...

. JOGOS FLORAIS DE ALMEIRM

.arquivos

. Novembro 2014

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds