Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

27.10.09

FLORES DE AÇORES


João Chamiço

 

  

Oh singelas flores, de raiz de lava,

Quantas fragrâncias raras de perfume
Nas pétalas tisnadas cor de lume.
Oh espinho agreste, roseiras bravas
Em penedias basálticas geradas
E em torrentes de chamas libertadas.
 
Oh sublimes sereias cintilantes
Empinadas em vagas imortais
De infindas ilusões intemporais.
Oh belas aparições chamejantes
Que insulares estirpes empolgaram
E noutros lusos cais se aquietaram.
 
Atirai-me de longe um beijo desabrido
E fazei-me sentir o flamejar
Num simples aceno, que o há-de o mar
Acolher num reflexo comedido,
Que em guisa de promessa ou desejo
Nos lábios meus virá deixar um beijo.
 
 
 
 
2009-10-26
João Chamiço
 
(Fotos Wikipedia)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.