Terça-feira, 20 de Maio de 2008

DUALIDADES

Uma mesma energia nos atrai e nos afasta,

         E uma mesma força que nos une, e nos separa,

         Como uma mesma onda que nos embala e arrasta.

 

Dentro do mesmo homem, a nobreza e a avareza

O mesmo Deus que nos protege e nos desampara,

E uma mesma mente crê e duvida da certeza.

 

         São os mesmos ventos que varrem velas e convés

         Que impelem as caravelas e que afundam as Galés,

         Ou uma paixão, que sendo passageira não passa,

 

Ou uma mesma luz que nos guia e que nos cega.

Ou para uma mesma fortuna a mesma desgraça

Tal qual a mesma mãe que, parindo, também renega.

 

         Numa só alma, coabitam temor e pecado

         E são as mesmas, as bocas que blasfemam e rezam.

         Um corruptor que compra e ao mesmo tempo é comprado

 

E um só Universo que é matéria e antimatéria

E a noite e o dia, que num só dia se revezam,

Na mesma Terra, a mesma abundância, a mesma miséria.

 

         O mesmo Sol que sustenta a vida, sustenta a morte

         E de quanto júbilo nasce às vezes a angústia,

         E em qualquer jogo existe sempre o azar e a sorte,

 

E a frustração e o pódio, na mesma competição.

No mesmo tolo, a imbecilidade e a astúcia,

E do melhor amigo, a confiança e a traição.

 

         Nos versos de um só fado, há um sorriso e um pranto

         Nos mesmos olhos, gotas de choro e de exultação

         E num silencio, como num estrondo, o mesmo espanto.

 

Na mesma vaga há mansidão, e há mar em espuma,

E em sonhos diversos reside uma só ilusão

E muitos enigmas, e muita coisa e coisa alguma.

 

         Os mesmos lábios, soltam o beijo e o impropério

         E o mesmo homem, tanto se apaixona como odeia.

         A mesma flor, cabe num jardim ou num cemitério.

 

Ou a mesma dor, que de tanto doer já não dói

Ao moleiro, a quem só farelos restam p’rá ceia

E o mesmo raio, alumia os destinos que destrói.

 

         Um vulcão expele o fogo, e a água que o suprime.

         Dentro de um erudito, pode existir um labrego

         E é próprio dos vadios exibir um ar sublime.

 

Dentro de qualquer pessoa, pode haver um Pessoa e outra pessoa,

E quantas vezes aquele que mais vê é o mais cego,

E um choro, pode ser de riso ou ser de algo que doa.

 

         E quantas e quantas, outras mais dualidades haverão?

         Se calhar, nem na vida de mil homens se contariam

         Nem pelos dedos que têm os mil homens em cada mão.

 

Não haveria enciclopédia capaz de as conter

E muito menos, todas, neste poema caberiam,

Nem toda a tinta da Terra daria p’rás escrever.

 

Em 2008-03-12

João Chamiço

 

sinto-me: Clonado
música: Eu tenho dois amores
publicado por João Chamiço às 01:27
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Café com Natas a 23 de Maio de 2008 às 00:12
Dualidade!!!
Muito bem!
Excelente esta antítese permanente.
Pensamentos, reflexões... gostei!
Beijinhos
De João Chamiço a 24 de Maio de 2008 às 00:31
Ainda estou por saber se estas antiteses, como dizes, despertam connosco ao acordar ou se é nos sonhos que se elas se revelam devidamente estruturadas.

Grato pela simpatia.
Um beijo

Comentar post

.mais sobre mim

.Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O HOMEM VELHO

. À JANELA

. QUEM DERA, QUEM DERA

. ESPELHOS TEUS

. PIROPO

. BRISA

. FLORES DE AÇORES

. ZECA AFONSO - SANTIAGO DE...

. JOGOS FLORAIS DE AVIZ 200...

. JOGOS FLORAIS DE ALMEIRM

.arquivos

. Novembro 2014

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Agosto 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds