Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

18.03.06

A REVOLTA


João Chamiço

Se a torrente faz o rio transbordar

E soltar-se das margens em convulsões.

A revolta que a excessos dá lugar

Salta das margens, como as revoluções.

 

Mas quando o rio, mostra a sua revolta

Reclama o domínio que lhe pertence,

E a fúria da Natureza anda à solta,

Correm no rio, forças que ninguém vence.

 

Do rio, se diz que é tumultuoso;

E as margens que o contraem? O que são?

O rio, só se liberta revoltoso,

E o servo, da orla da escravidão.

 

Quando o rio se amansa, tudo é perfeito

E tudo em seu redor tende a se acalmar;

O gigante, adormece no seu leito

São as forças da revolta a descansar.

 

F. Januário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.