Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

Aqui, no OBSERVANTES, têm lugar privilegiado:

A poesia, os sonhos e a utopia. A critica incisiva às realidades concretas de Portugal e do mundo baseadas na verdade constatada e só nela. "A verdade nunca é injusta; pode magoar, mas não deixa ferida". (Eduardo Girão)

23.01.06

BOLA DE TRAPOS


João Chamiço

Lá, de onde estiveres, abandonada


Volta, minha velha bola de trapos,


Ainda que de lama encharcada


Ou mesmo rota, desfeita em farrapos.


 


Volta, que contigo quero jogar


Nas esconsas ruas da minha aldeia,


E se voltares a ficar rasgada


Terei sempre à mão a velha meia.


 


Vem trazer-me as alegrias de outrora,


Oh minha companheira de incertezas


E cúmplice da pobre criançada,


 


Peço-te, volta para mim hoje, agora,


Vem, amenizar minha tristeza


Ainda que de lama encharcada.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.